Segunda, 15 Fevereiro 2010 14:11

Testemunho de Arlindo Leonardo Chaves

Avalie este item
(0 votos)

Testemunho de Arlindo Leonardo Chaves


Fui chamado para terminar a construção da capela de Nossa Senhora da Piedade, no Vale da Imaculada Conceição.

Foi um trabalho diferente de todos os outros que eu havia realizado, pois sentia a presença de Deus do começo ao fim do trabalho.

Uma das primeiras coisas que me tocaram quando cheguei ao Vale da Imaculada, foi que recebi de Deus a força e a coragem para o trabalho, pois me encontrava doente e sem forças para a lida do dia a dia, e também o fato de saber que ali era um lugar escolhido por Deus, com uma Comunidade formada por Ele, a exemplo de Jesus, guiada pelo Espírito Santo, através da Virgem Maria.

Assim assumi a minha missão de pedreiro e, embora muitas vezes tivesse de trabalhar sozinho, fazendo massa e levando-a para cima, eu estava feliz por trabalhar na Casa de Deus.

Já estávamos no término da Capela quando Nossa Senhora foi abençoá-la. Ainda havia restos de material espalhados, andaimes erguidos e retoques a serem feitos.

No momento desta primeira mensagem, pensando no engradamento, encostei-me na parede e olhei de baixo para cima o andaime que muitas vezes subi e desci. Neste momento notei bem no alto, próximo ao andaime, uma pessoa ajoelhada, olhando para baixo. Ainda sem entender comecei a chorar e as lágrimas se tornaram incontroláveis.

Notando minha emoção, muitos me olhavam, e uma senhora perguntou-me se eu estava bem, ou se via alguma coisa. Com voz trêmula respondi-lhe: Eu estou vendo uma pessoa lá em cima do andaime! Jesus não pode ser, porque aparenta mais idade e é meio calvo, veste uma túnica comprida e marrom!

Tomada pelo Espírito Santo, a mesma senhora me disse confiante: É SÃO JOSÉ!!! Porque São José foi um operário e agora ele acompanhou Nossa Senhora, e veio abençoá-lo.

No silêncio, meu coração confirmava: É São José realmente! Ele veio com Nossa Senhora!

A mensagem chegou ao fim. E São José se foi, não o vi mais. Afirmo com toda sinceridade, com toda fé, com toda minha alma: Eu vi São José abençoar a Capela, na primeira mensagem que lá foi dada.

Nos dois últimos dias fiz pequenos acabamentos na Capela. Tocou o sino para a refeição. Pedi a um dos companheiros que tirasse minha marmita, que eu ficaria terminando o restinho do serviço. Fiquei sozinho na Capela. Lá em cima, bem no alto do andaime, fui surpreendido por uma voz que disse: "Desça daí!"

Olhei em todas as direções e não vi ninguém. Mas a voz suave repetiu: "Desça que está na hora!"

Um pouco assustado, obedeci. Quando cheguei no primeiro degrau do andaime, minha cabeça rodou, fiquei tonto e senti faltarem as minhas forças. Vagarosamente fui para a primeira casa que avistei, a do Sr. Zico, deitei-me e adormeci.

Ao meditar em tudo que me aconteceu, refleti que só podia ter sido Nossa Senhora que me disse para descer. Se eu ficasse tonto lá em cima do andaime, iria cair e certamente morrer. Eu estava humanamente sozinho e sem socorro. A voz tão doce e meiga levou-me a obedecer.

Refletindo, depois, cheguei à conclusão de que não estamos sozinhos.

A voz angelical era sobrenatural, e compreendi que era a Mãe do Céu a me proteger. Por isso, consagro minha vida e minha alma de todo coração a Nossa Senhora da Piedade. Ela salvou a minha vida.

No começo guardei tudo em meu coração, sem coragem de testemunhar o que vi e ouvi, com receio das críticas, calúnias e perseguições. Mas hoje, bem mais fortalecido e preparado, afirmo com toda sinceridade e honestidade: Vi São José, no momento da mensagem de Nossa Senhora na nova capela, que hoje é consagrada a Jesus, Maria e José. E ouvi a voz angelical da Mãe do Céu, cheia de cuidados, me protegendo das ciladas do inimigo.

No Vale de Nossa Senhora, Deus plantou a fé em meu coração. Aprendi a viver e dar testemunho de Deus para os irmãos. Vim a este Vale servir e servido por Deus eu fui, ouvindo suas Palavras de Salvação trazidas por Nossa Senhora. Ela nos fala a verdade e nos leva a ser o que Deus quer que sejamos, filhos fiéis ao seu amor.

Já construí outras igrejas, mas esta foi totalmente diferente das outras. Em cada tijolo, um pouco de amor. A cada dia a alegria e a paz aumentavam.

Neste Vale da Imaculada Conceição - em Piedade dos Gerais - fui libertado, acabaram-se os sofrimentos exagerados, os pecados que carregava. Acabou o ódio, a inveja, e nada me falta. Procuro levar uma vida simples e santa, feliz com Deus e com os irmãos.

Quando parti o meu maior cuidado foi conservar este tesouro em meu coração. Graças a Deus, depois disso nada me faltou.

Não é de se estranhar, mas ao término da Capela não tive mais vontade de voltar para Barbacena. Mas, graças a Deus, tenho uma bela família para cuidar e queria levar meu testemunho a todos, para que este acontecimento em Piedade dos Gerais pudesse mudar a vida de todos e os levasse a amarem mais a Deus, pois as mensagens de Nossa Senhora nos falam deste amor, do grande amor de Deus por seus filhos, e o amor se fazendo presente no meio de nós.

Como uma criança desmamada, fui embora chorando, com a lembrança de todos que lá vivem, da acolhida e do carinho recebido de cada um que se fez irmão, das mensagens trazidas pela Mãezinha do Céu. Mas fui com o coração sereno, cheio de paz e todo transformado.

Outro fato interessante aconteceu pouco tempo depois que voltei para minha cidade de Barbacena. Num belo dia, eu estava como de costume indo trabalhar. Adoentado, sem ânimo, sentindo a caminhada longa e um peso exagerado das ferramentas.

Apareceu uma pessoa em uma escada, no barranco em que eu ia atravessando e esta pessoa falou assim: “Moço, espere aí! “

Coloquei as ferramentas no chão e esperei. Voltando-se para mim, perguntou: “Onde você vai tão cansado, tão esgotado? E o que vai fazer? Volte, vá descansar!”

Respondi: Preciso trabalhar para ganhar um trocadinho. E o Senhor, perguntei curioso: O senhor trabalha?

Ele disse: “Trabalho! Muito! “

Como eu nunca tinha visto aquela pessoa antes (e nem tornei a vê-la) ousei fazer outra pergunta: O senhor mora por aqui?

“Não.” Respondeu ele sereno e sem se ofender, e prosseguiu:

“Eu moro lá em cima e trabalho lá em cima.” (apontando o dedo indicador para o infinito)

Confesso que fiquei meio admirado naquele momento e pensei: Como pode? Eu não o conheço e ele sabe tudo que se passa comigo? Como pode ser isso? Só pode ser um enviado de Deus.

E continuei meu trajeto, porém, minhas ferramentas ficaram leves e a caminhada menos penosa.

Costumeiramente, ao chegar no trabalho fiz minhas orações, e, começando a trabalhar, não senti mais nada. Tudo que eu estava sentido de cansaço desapareceu. Quem era? Quem foi? Reafirmo que depois que conheci o Vale da Imaculada Conceição nada me faltou.

Por ser vicentino, senti vontade de partilhar este acontecimento com meus irmãos de caminhada. E todos permaneceram em silêncio, mudos diante das maravilhas que Deus opera a cada dia.

Piedade dos Gerais tem um tesouro escondido, um Vale. Um Vale da Fé e da Espiritualidade, um Vale que vai crescendo. É de onde se leva ao mundo o tesouro que é a Palavra de Deus. Um tesouro que vai crescendo e crescendo, e nunca vai se acabar. Porque é dando que se recebe, e uma obra de Deus não tem fim! Lá no meio dos montes, longe do progresso, é o caminho para se chegar à salvação.

Sou muito vivido e viajado. Nunca vi em toda minha vida, ao longo dos meus 64 anos, um lugar santo, que bem mais que as grandezas do mundo se busca a simplicidade de Deus, formando com Maria, a Mãe de Jesus, o povo escolhido.

Nos seus pedidos se encontram os segredos da santidade, reafirmando os sacramentos deixados por Jesus. Mesmo havendo muitos que não acreditam nesta verdade, Deus fala com seu povo, por meio da sua serva Maria. Eu creio e afirmo que é a verdade bendita no meio de nós. E só não a enxergam os piores cegos: os cegos que não querem ver!

Faço um apelo a Deus, por meio de São José, que tire esta cegueira dos homens, principalmente dos sacerdotes, para que no Vale tenhamos o complemento das riquezas celestes: A Eucaristia.

Lá vivem muitas crianças que foram abandonadas pelo mundo, muitos jovens que buscam a Deus com sede de santidade e muitas famílias que lutam pela paz. Mas é preciso que a Igreja Católica Apostólica Romana abrace esses filhos. Jesus veio ao mundo para todos! Muitos peregrinos sentem necessidade de confissão, de absolvição e só por meio dos sacerdotes esta conversão poderá crescer e acontecer. As muitas conversões que a cada dia aumentam no Vale carecem de um acompanhamento da Igreja Católica para que perseverem.

Padres, por amor a Deus, tomem esta responsabilidade de viverem como Cristo viveu, acolhendo sem distinção a todos os filhos de Deus.

E vocês, que ainda não conhecem esta fonte de água viva, não deixem mais faltar a verdadeira paz em seus corações. Vão até o Vale da Imaculada Conceição se fartarem das Divinas Bênçãos. Tenho certeza de que lá é um coração sempre aberto, uma fonte cristalina que jorra sem cessar! É um vale de Paz.

Que o chefe da Sagrada Família nos abençoe!


Arlindo Leonardo Chaves
Vale Da Imaculada Conceição, 29 De Dezembro De 1997.

Última modificação em Terça, 16 Janeiro 2018 22:29
Our website is protected by DMC Firewall!